MERCYFUL FATE – DEAD AGAIN (1998)

Mercyful Fate não é para qualquer um, verdade seja dita. King Diamond é um artista que aspira transpassar toda a sua intensidade e sensibilidade dentro de seu trabalho. Falar isso de um dos caras com maior influência do heavy metal parece desconexo, mas é a mais pura verdade. Afinal, o que dizer de alguém que gosta de compor à luz de velas e até mesmo realizar as gravações do estúdio assim? Ou então, no total escuro, para que ele possa sentir sobre o que está cantando. A grande jogada aqui é o constante balanço entre o personagem, suas lendas e a realidade do ser humano, entre maquiagens e jeans, camiseta e boné. E isso King faz muito bem!

Em uma entrevista para a MTV’S Headbangers Ball, King falou sobre a volta da banda e de como, naquele momento eles estavam maduros e não brigavam mais em relação a composição das músicas. Uma das razões citadas foi o fato de que eles tiveram suas bandas próprias e aprenderam sobre suas personalidades e também evoluíram no quesito de como gravar músicas. Em uma entrevista para o programa Fúria Metal, apresentado por Gastão Moreira, King disse que o álbum que eles estavam gravando estava pesado. “It´s heavy, it´s so heavy, man!” e emendou com um “Foi provavelmente o melhor álbum que a gente já fez”.

Ele estava falando do oitavo álbum, “Dead Again”, gravado em 1997, nos meses de outubro, novembro e dezembro, no Nomad Recording Studio, Carrollton, Texas. A escolha foi por um estúdio diferente do usado para os últimos álbuns, pequeno e intimista. King acredita que esse feito da gravação passou para as músicas e podem ser percebidas pelo público. Ele também disse que o equipamento era melhor em relação aos outros. Foi produzido e mixado por Sterling Winfield.

“Dead Again” é composto por dez músicas e foi lançado em 9 de junho de 1998, pela Metal Blade Records. Ele tem um total de 59 minutos, e é composto por canções mais longas, visto que a que dá nome ao álbum tem 13 minutos. Houve uma harmonia em relação à composição das músicas, entre Sherman e Diamond. “Torture (1629)”, “The Night”, “Mandrake” e “Dead Again” foram compostas por Sherman e “Since Forever”, “The Lady Who Cries”, “Banshee”, “Sucking your Blood” e “Fear”, por Diamond.

Realmente esse álbum tem uma pegada mais forte, diante do que foi apresentado em “Into The Unknow”, especialmente com “Torture (1629)” e “The Night”. O grande destaque vai para “Banshee”, que fala sobre o aviso da chegada da morte pelo choro da criatura da mitologia celta.

Formação

King Diamond – Vocal
Hank Sherman – Guitarra
Mike Wead – Guitarra
Sharlee D’Angelo – Baixo
Bjarne T. Holm – Bateria

Track list

  1. Torture (1629)
  2. The Night
  3. Since Forever
  4. The Lady Who Cries
  5. Banshee
  6. Mandrake
  7. Sucking your Blood
  8. Dead Again
  9. Fear
  10. Crossroads

*publicada originalmente em 29 de dezembro de 2017, na Roadie Metal.

Publicado por Daniela Farah

Daniela Farah é curitibana de coração, jornalista formada pela PUC-PR e sempre esteve ligada às artes, estudou produção cênica, língua portuguesa, literatura e violão no Conservatório de MPB do Paraná. Tem o blog “Adanibella – Todo dia é dia de Poesia” para trabalhos literários, é redatora da Roadie Music e participa do grupo Mulheres e Poesias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: