Entre Gentes

Onde estaria a dignidade das gentes
Entre o silêncio que se destaca
Por sobre as falas e formas, e imagens
E tudo o mais que o mundo moderno traz.

Onde estariam as palavras não ditas
As elegias mudas e explicações caladas?
Que peito é esse que sente e não fala?
Que vida é essa que se cala por entre instâncias?

Pois que sabe que se vive apenas para si
Sob seu mundo, suas mãos, pés e escolhas
Dentro de seu umbigo, e sua mente própria.
Envolto em si mesmo, em si completo, em si, ponto.

Teria o outro que lhe compreender?
Saberia de seus pensamentos, entre coisas
entre gentes, entre vida, que mente
Claramente, mente, sobretudo para si?

Cabe ao outro conceder-lhe a vontade
De ter seu desejo atendido de pronto e em tudo
Quando nada se dá ou oferece ao outro
Quando não se tem visão do outro
Quando se desconhece o outro.

[Só uma peça no jogo moderno.]

Publicado por Daniela Farah

Poetisa, escritora, jornalista, observadora da sociedade, pensadora da vida e curiosa. Fiz minha primeira poesia aos oito anos e desde então nunca mais parei de escrever. Ainda criança gostava de contar histórias sobre coisas da minha vida que nunca tinham acontecido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: