Sobre aquele dia

Já é quase tarde e eu preciso ir embora. Então me viro de costas e coloco o meu sutiã. Ele está colocando a roupa também e faz isso mais rápido do que eu. Enquanto me conta, de um jeito meio revoltado que ele tem de vez em quando, sobre uma situação que ele passou com uber e discutimos sobre a briga entre eles e os taxistas, ele pára e se vira para mim. Ainda estou de costas, mas eu sei que ele está me olhando. Fala qualquer coisa apenas para continuar. Eu sinto que é como se ele fosse guardar aquela visão para sempre.
Então eu me visto de maneira mais lenta e me viro, tentando esconder um sorriso. Estava pronta para ir embora, mas queria mesmo ficar.

Publicado por Daniela Farah

Jornalista curitibana formada pela PUC-PR, com pós-graduação em Comunicação Empresarial, também estudou produção cênica, língua portuguesa, literatura e fez aula de violão no Conservatório de MPB do Paraná. Atualmente, trabalha com produção de conteúdo para sites, blogs e redes sociais. Começou a escrever sobre música em 2017 como redatora da Roadie Metal. Adora conhecer bandas novas, fazer cobertura de shows e entrevistas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: