Triângulo Amoroso

A Rosa solitária
pediu pro Cravo rezar
e o coitado não sabia
que o que ela queria
era levá-lo pro altar.

Mas a dona Margarida
resolveu interferir
não a leve pra casar,
leve a mim.

O Cravo ficou perdido
saiu correndo,
precisava pensar
Ou deixava a Margarida
ou a Rosa deixava pra lá.

Acabou se perdendo
numa rua contramão
A Rosa e a Margarida choravam
seu amado estendido no chão.

Publicado por Daniela Farah

Poetisa, escritora, jornalista, observadora da sociedade, pensadora da vida e curiosa. Fiz minha primeira poesia aos oito anos e desde então nunca mais parei de escrever. Ainda criança gostava de contar histórias sobre coisas da minha vida que nunca tinham acontecido.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: