Para o Draco

Hoje eu acordei na porta do dragão
de robe e escovão na mão
eu te perguntei onde era a saída
e eu que te olhei a primeira vez na vida
e te reconheci
cochichava e observava
com todas as letras
você disse que eu era complicada
bruxa e que me boicotava
e eu que chorava
voltei a sorrir.

Diante de todo o seu intelecto
e horas a fio em conversa
você, um ser desconexo,
me devolveu as palavras.
Contou-me sobre as aves de rapina
alertou-me sobre os coiotes
e jurada de morte,
eu adormeci.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s