O Sujeito

O que é amar senão
se sujeitar ao próprio amor

Sujeito ao amor
sujeito de
amor
sujeito e amor

Amor não existe sem sujeito
mas não pode ser
objeto
Amor objeto morre
no primeiro tiro certo

Amor como verbo é sublime
e não há mais nada que rime

Que dizer do amor predicado
que cutuca o vazio
de dois

Amor provérbio, amor adjetivo,
amor conjuntivo
nada existe sem o sujeito

Só ele não vê.

Publicado por Daniela Farah

Daniela Farah é curitibana de coração, jornalista formada pela PUC-PR e sempre esteve ligada às artes, estudou produção cênica, língua portuguesa, literatura e violão no Conservatório de MPB do Paraná. Tem o blog “Adanibella – Todo dia é dia de Poesia” para trabalhos literários, é redatora da Roadie Music e participa do grupo Mulheres e Poesias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: